O homem acusado de matar com um tiro na cabeça a professora Anielli Geovana Sanches Foresto depois de uma briga entre o casal foi condenado a 14 anos de prisão em regime inicialmente fechado.


A sentença foi dada após o término do júri popular realizado nesta quinta-feira (24), no Fórum de Estrela D’Oeste/SP. O júri começou de manhã e terminou depois de 10 horas.


De acordo com o Ministério Público, Matheus Rogério Soares Santos foi condenado pelo crime de feminicídio qualificado. Além da condenação pela morte, Matheus também foi condenado a um ano de prisão em regime aberto por posse de arma de fogo. TV TEM e o G1 não conseguiram contato com a defesa do condenado, depois do julgamento.


O assassinato foi registrado em junho do ano passado, em um sítio em Populina/SP. De acordo com o inquérito, o acusado confessou que a morte foi acidental e foi preso no dia seguinte do assassinato.


Por causa do coronavírus, o julgamento teve restrições ao público. Apenas os envolvidos no júri puderam entrar no Fórum.


O crime

A professora, então com 25 anos, foi morta com um tiro na cabeça no bairro Córrego da Madeira, no dia 30 de junho.


De acordo com o boletim de ocorrência, depois do assassinato de Anielli, o irmão do suspeito ligou para a Polícia Militar, que compareceu no sítio onde o casal morava. O corpo de Anielli foi localizado na varanda do imóvel.


Na investigação, a polícia afirma que o casal brigou e a mulher tentou se trancar dentro da cozinha, mas o homem arrombou a porta e a arrastou até a varanda, onde cometeu o crime.


Em depoimento para a polícia, familiares disseram aos policiais que a vítima já tinha sido agredida pelo companheiro mais de uma vez, mas Anielli nunca registrou boletim de ocorrência contra ele.


Fonte-G1